janeiro 30, 2007

Fado, Fátima e Futebol

Assisti ontem na televisão a um espectáculo que poderia ter sido transmitido nos anos 60. O "Prós e Contras" da RTP.O tema era sobre o referendo à despenalização da IVG.
Tirando o facto tecnológico de a transmissão ser a cores o resto foi tudo muito cinzento.
Os protagonistas em presença: Uma esquerda tímida, bem comportada e preocupada em não fazer muitas ondas perante uma direita arrivista, trauliteira e profundamente empenhada em "fazer guerra".
Nos bastidores, com a ajuda da hierarquia da igreja católica, tinha sido preparada uma encenação de luxo. Um rapazinho que deu um testemunho digno de uma historieta da casa do padre Américo, uma "jovem" fadista mandatária do Sr. Silva com tiques de Amália e um treinador de futebol a meter os pés pelas mãos...
A triologia FADO-FÁTIMA-FUTEBOL que o regime fascista utilizou com largos resultados na estupidificação do povo português, durante quase 50 anos, esteve presente ao longo de todo o programa com intervenções de "distintos técnicos de saúde" do lado do NÃO que passaram todo o tempo a provocar uma reacção inexistente.
As intervenções do professor Vital Moreira, de grande elevação e qualidade, passaram ao lado e não tiveram impacto perante os argumentos populistas e "pop-chula" dos vários intervenientes apologistas do Não.
O "cavalo de Tróia" da "LIBERALIZAÇÂO", argumento mentiroso e miserável, é o refúgio dos medíocres que não tendo mais argumentos "mostram os dentes" e a sua verdadeira face.
Esta burguesia falida em 1974 procura todas as oportunidades para se vingar dos sustos do PREC.
A Igreja que conspira há mais de 30 anos contra qualquer alteração real apoia tudo isto e é a retaguarda das forças reaccionárias.
ONDE ESTÁ A ESQUERDA?
Que erro clamoroso pensar que é desta forma que se partem os dentes à besta fascista e seus descendentes...

O Partido dito Socialista: Logo pela manhã ouvi na rádio que tinham feito uma consulta de opinião sobre o impacto na popularidade do PS caso o Não ganhasse.
Quem encomendou? O Sócrates ou o "Ganda Nóia"?
Parece que o essencial está salvaguardado. Se o PS cair vai para lá o PPD/PSD e vice-versa!
Como dizia a canção: "E assim se faz Portugal.... uns vão bem (poucos) e outros mal (a maioria)!

Não acordem não!... Qualquer dia têm a rainha espanhola deitada na cama!...

3 comentários:

Caínhas disse...

Não tenho, nunca tive vivência revolucionária, mas já manifestei noutros locais de opinião que não é assim que se chega lá!
Absolutamente de acordo quanto ao essencial. Sobre a esquerda portuguesa poucos serão dessas bandas, a maioria não passam de indivíduos que andam à procura de melhores dias, e uma reforma para a vida inteira.
Quanto ao programa em questão, ao fazer zaping passei por lá e vi o cara de pau do treinador do Benfica, pessoa que não gosto nada, e saí dali mais rápido que entrei.
O assunto interessa a todas as pessoas responsáveis, eu já manifestei a minha opinião noutro local, e pode ficar aqui também eu
voto SIM!

José do Nascimento disse...

O "Prós e Contras" de 29/01/07 sobre a despenalização da mulher que deseja fazer um aborto em nada me surpreendeu mas fez-me pensar que em alguns casos a Interrupção da Gravidez não deveria ser voluntária, devia ser obrigatória!
O programa confirmou que ninguém deseja o aborto e este problema é uma questão de consciencia individual. Eu em consciencia não admito que alguém queira ser a minha consciência!
Serviu também o programa para matar saudades de um dos melhores parlamentares de sempre, Vital Moreira que tanta falta faz ao parlamento. Estão lá outros, alguns também estiveram no programa e mais valia que não estivessem em lado nenhum para que em consciencia pudessemos dormir em paz... Esta noite não foi possivel. Durante o programa ainda quiz atirar a TV pela janela fora, mas a consciencia do que ela me custou fez-me arrepiar caminho, ainda se o deputado do não fosse a passar na rua, talvez valesse a pena o sacrificio...
Foi um mau debate com grande parte dos "debatentes" do sim mal preparados e alguns do não com descursinhos bem ensaiadinhos e de fazer chorar os lagedos do convento da Senhora da Agonia!
Em consciencia digo: O aborto obrigatório já!

Anónimo disse...

A diferença entre a campanha para este referendo e para o de 1998, em que a abstenção ganhou, o não ficou em segundo e o sim perdeu, é que o PS faz campanha, e a esquerda (que temos, não necessariamente a que desejamos)assentou numa concertação argumentativa que não reage à manipulação hipócrita, moralista, fascista, da direita. Admiro todos os intervenientes pelo SIM no debate de ontem, pois não consigo imaginar todos os sapos que tiveram de engolir contra a tão bem recordada TRÍADE.
O que este referendo traz à tona é a eterna antinomia esquerda-direita, e a sua razão de ser. E à esquerda, estamos efectivamente poucos. Porque ser de esquerda é acreditar na liberdade como valor supremo, e não permitir que ninguém tenha estatuto ou condição moral superior, muito menos que se arvore o poder de decisão sobre cada um de nós. Mas, mesmo sendo menos do que desejaríamos, acreditemos que alguns se relembram hoje do porquê de serem de esquerda, e isso é um grande serviço que esta direitinha medíocre nos está a fazer.

Andreia