fevereiro 12, 2018

Ah! Afinal ainda não nasceu...

Há dias saltou-me à vista um cartaz, que tendo já alguns meses, me levou a recordar alguns episódios tristes e lamentáveis passados comigo recentemente.
Nasci em Belas no Século passado (1948) e desde os 7 anos de idade que vivo em Queluz, onde casei e vi crescer os meus filhos que tiveram um acompanhamento nos cuidados de saúde que sempre considerei excelentes, sempre no SNS e num "Centro de Saúde" que resistiu anos a fio na rua dos Lusíadas.
A mudança de instalações que levou anos de discussões autárquicas parecia abrir uma nova etapa nos cuidados de saúde à população.

Tal como diz o cartaz "Aqui vai nascer o Centro de Saúde de Queluz..." mas ainda não nasceu...
Médico de família não há, atendimento salvo uma ou outra excepção é péssimo, contactos, marcações, etc, isso então uma dor de cabeça. É ver filas de pessoas às 7 da manhã. ao frio à espera de serem atendidas. Se juntarmos a isto a arrogância de algumas funcionárias temos um quadro deplorável e inqualificável. Devo fazer justiça ainda à enfermagem que conheço há muitos anos e que deve ser a única mais valia existente.
Tenho várias queixas e reclamações apresentadas no local e nos serviços responsáveis dos quais ainda não obtive respostas ou soluções para os meus problemas. Recorri ainda ao Provedor de Justiça (porque há anos tinha tido uma boa experiência na resolução de alguns problemas) que após várias insistências da minha parte produziu uma resposta tipo "NIM".

Vamos lá agora a esclarecer aqui umas coisinhas...
Não alinho na fácil acusação aos políticos actuais no governo sobre a miséria em que se encontra o SNS. Este serviço foi sabotado há muitos anos... Anos 80/90 onde tudo começou a passar para o privado graças ao "capitalismo popular" defendido pelo "grande timoneiro" da direita.
Não confio no actual ministro da Saúde e também não percebo porque razão os partidos da esquerda não denunciam COM FACTOS E NÚMEROS os crimes cometidos pelo governo da troika. Será difícil perceber que depois de tal destruição feita pelo governo que o actual presidente gosta tanto de enaltecer o do (PPD-CDS) é impossível recuperar a situação que é continuamente sabotada pelos privados e pelos seus "aliados" que minam o SNS?

Podem contar com a minha resistência. Seguros de saúde NÃO, assistência privada NÃO.
Continuarei a bater-me por um SNS e não abdico daquilo a que tenho direito: Uma assistência condigna, eficiente, profissional e HUMANA.

abril 26, 2017

Para terminar o dia

Nem de propósito. Ao passar por uma livraria, no final da tarde, dou de caras com um título sugestivo e bem a propósito da data.





Da sua Introdução:

"Em Outubro de 1975, o Ministério da Indústria e Tecnologia elaborou um relatório sobre as actividades da ITT em Portugal com vista à preparação de uma decisão do governo sobre este grupo multinacional.
O relatório, que é a base principal deste livro, contém importantes elementos para compreender a estratégia económica do imperialismo e particularmente a sua mais importante componente: as multinacionais.
Desse relatório a revista independente "Política Socialista" publicou um resumo em Maio do ano corrente, o que constituiu, por assim dizer, a primeira revelação sistematizada das escandalosas manobras de sabotagem económica da ITT contra o 25 de Abril." (Dezembro de 1976).

Aqui fica uma bela retrospectiva dos aplaudidos "mercados" que continuam a ser saudados por aqueles que acreditam no "Pai Natal", "Senhora de Fátima" e outras crendices.
Ontem a ITT, hoje a Golman Sachs e amanhã outra merda qualquer para nos sugar o sangue e impedir de ser LIVRES e FELIZES!

Ironia do destino: O euro a que estamos agarrados continua a ser a moeda oficial da nossa desgraça. E foi com 1 euro que eu comprei este livrinho (200,482 PTE).

março 20, 2017

Apresentação UBUNTU - Sessão de Instalações

No passado dia 18 de Março realizou-se mais um evento Ubuntu graças à cooperação entre a comunidade Ubuntu-pt e a Associação “Olho Vivo” que contou com o apoio da Junta de Freguesia de Queluz-Belas.
A sessão decorreu na Sala Multiusos Fernando Ribeiro Leitão durante toda a tarde e contou com a participação de cerca de 20 pessoas interessadas na procura de alternativas no campo do software, nomeadamente no que toca ao Software Livre.




Participaram membros da Comunidade Ubuntu-pt que fizeram apresentações técnicas, testemunhos pessoais e ajudaram na instalação do Ubuntu em máquinas de participantes.

 No final da sessão foi oferecida à “Olho Vivo” uma máquina com o “Ubuntu Mate” instalado para promover e divulgar o GNU/LINUX Ubuntu junto da equipa da Associação.
 

fevereiro 07, 2017

Partiste companheiro!

Ontem quando me disseste já com bastante dificuldade: Até amanhã, senti que era quase uma despedida.
Acabo de saber que enfim descansaste.

O filme volta todo para trás e de repente vêm-me à memória tantos momentos que vivemos com generosidade e esperança: O 25 de Abril de 1974, as lutas que travámos na empresa onde eu  e a tua companheira Adélia trabalhávamos; Foi por isso que nos conhecemos; A luta da Rádio Renascença ocupada pelos trabalhadores, em que tu pertencias à CT; O tenebroso 25 de Novembro de 1975 que foi o ponto final numa História que poderia ter sido BELA e que degenerou nas troikas da puta que os pariu.

Esta é a imagem que guardarei de ti:


Foste um lutador toda a tua vida e por isso nutrias um profundo amor pelo teu próximo, nunca esquecendo as contradições do ser humano.

Adoravas a Guiné-Bissau e a gloriosa História da Revolução conduzida por Amílcar Cabral. Não poupavas os traidores e os corruptos e até tiveste algumas chatices com o blogue que alimentavas

Para nós que acreditamos que a revolução é um acto de amor fica claro que tu tinhas que deixar um rasto de profunda sensibilidade humana. Foi para o teu neto, o teu herói preferido, de quem falavas com tanta admiração, que deixaste uma memória tão bonita

Para finalizar um espólio de memórias (algumas bem amargas) a que te deste ao trabalho de vasculhar bem no fundo dum baú vindo da "noite negra do fascismo"

Fica aqui a minha singela homenagem ao companheiro Carlos Filipe, homem de firmes convicções e princípios, coisa que hoje já é pouco comum.

Até sempre companheiro!