maio 16, 2008

Boicotão ao cartel gasolineiro

Junho, 11

Reflexão do dia
Aí está o sistema em toda a sua plenitude: Futebol quanto baste, muita "RAÇA", e atirar os explorados uns contra os outros (teoria também conhecida por dividir para reinar...)
.
No essencial e na base do problema não se toca. As petrolíferas e os especuladores financeiros estão à rédea solta com a cobertura dos políticos corruptos e vendidos.

Junho, 6


Temos que EXIGIR um esclarecimento total e imediato!

Atendendo à oportunidade do assunto resolvi destacar um comentário enviado:

Todos estamos preocupados com o aumento incontrolado do preço dos combustíveis no mercado mundial. Mas não nos confundamos: os portugueses com mais razões que os restantes europeus. Senão vejamos:

1 – Apesar de termos dos custos salariais mais baixos, o preço sem impostos da Gasolina 95 (custo do petróleo + mais custo de refinação + margem de comercialização), em 19 de Maio passado, era o 8º mais alto da Europa dos 27 países (Expresso/Comissão Europeia). Porquê? Fraca produtividade da Galp, refinadora monopolista, má gestão da Galp nas compras do produto, margens mais altas que o devido, critérios especulativos na formação de preço? Não sei, ninguém me explicou. Sobre a última, já lá vamos.

2 – Não comento a carga fiscal. O governo entende que a não deve alterar e está no seu direito, no seguimento da sua política. No entanto, posso e devo contestar as suas opções estratégicas: precisamos de mais betão, para beneficiar meia dúzia de empresas influentes e beneficiárias ou, antes, necessitamos de não sufocar toda a restante economia e a classe média com o peso excessivo dos combustíveis nos seus custos e combater o alargamento do fosso entre ricos e pobres? A opção do governo é a primeira, a minha não! E não aceito conversa da treta do equilíbrio orçamental, que tem diferentes maneiras de ser atingido! Não contesto, no entanto. O lugar certo de avaliar é na mesa de voto, esperemos que os portugueses não se esqueçam.

3 – A Direcção Geral de Energia já nos remeteu para a Autoridade da Concorrência para resposta àquelas preocupações. A Autoridade da Concorrência, apesar das coincidências de aumentos no mesmo dia, com o mesmo valor de venda, etc. das principais companhias, demorou um mês a dizer-nos que está tudo no melhor dos mundos e não há cartelização, sem explicar os detalhes que acima exponho. Apesar de sabermos que a Galp é monopolista na refinação e maioritária na distribuição! Mas se o diz, tudo bem, assume as suas responsabilidades! Eu, no entanto, tenho, até prova em contrário, o direito de não confiar na Autoridade da Concorrência!

4 – Num recente artigo do economista Eugénio Rosa a que tive acesso, é dito que a Galp considera nas suas contas do preço à saída da refinaria, o preço do petróleo do mesmo dia da semana anterior (modificando o seu critério anterior de 1 mês antes ou quizena anterior), apesar de o mesmo ter sido adquirido 2,5 meses antes, o que, obviamente, inflaciona artificialmente o preço de custo e a margem de comercialização subsequente. Não tenho forma de validar este estudo mas, verificando o aumento de lucros efeito stock de 228,6% no 1º trimestre de 2008 relativamente ao trimestre homólogo, tenho, até prova em contrário, o direito de confiar no referido estudo!

5 – O Sr. Presidente da Galp, no mesmo dia do relatório da AdC (coincidência?) não explicou nenhuma destas dúvidas. Mas lamentou-se do efeito que o boicote tem tido no bom nome da marca Galp, ensinando-nos como é difícil criar e manter uma marca credível. Concordo em absoluto, mas, pela minha parte, rejeito responsabilidades: limitei-me, e continuarei a fazê-lo, a comprar e a recomendar a compra onde é mais barato, cumprindo o meu dever de cidadão cumpridor da lei da Concorrência. O desgaste da credibilidade da marca terá mais haver com o Sr. Presidente não nos esclarecer nas dúvidas acima e, portanto é da sua responsabilidade. Não adianta a Galp vitimizar-se: as vitímas serão os clientes se estiverem a pagar mais que o devido. Portanto, tenho, até prova em contrário, o direito de não confiar no que me diz o Sr. Presidente!

6 – Em desespero de causa, porque temos de confiar em alguém, lançaria um repto aos Auditores, Certificadores das contas e Fiscal Único da Galp, tanto quanto sei, Deloitte & Associados, SROC, SA, representada por António Marques Dias, para, se tal lhe for possível deontológicamente, nos esclarecer da validade técnica do “pricing” acima definido, de modo a não se verificarem idênticas dúvidas às relatadas na imprensa com a auditoria, feita por empresa concorrente igualmente conceituada, num banco comercial da nossa praça.

Francisco Costa Duarte


video
Junho, 2


Para imprimir e colocar no carro:

Basta clicar em cima do "banner" com o rato direito e salvar como... para o ambiente de trabalho. Imprimir e está pronto a usar.


Maio, 29


FORÇA PORTUGAL!
Eu também não vou abastecer!


Maio, 26

De súplicas e apelos está o inferno cheio!

O presidente da ANAREC suplicou e os revendedores lançam apelo ao senhor presidente para baixar o preço da gasolina...
Mas que estranho. Que eu saiba o senhor presidente faz parte do "sistema", porque raio havia ele de ir contra os seus próprios interesses?!...

Maio, 21


Publicado no Diário Económico On-Line de hoje:

"A Galp não define preços”
Perante a organização dos consumidores para um boicote ao consumo da gasolina da Galp, e a exigência dos próprios trabalhadores da empresa de esclarecimentos sobre os aumentos de preços, Ferreira de Oliveira respondeu que “a Galp Energia não define preços, seja do petróleo, das gasolinas, do gasóleo, do asfalto ou de outros produtos”. E acrescentou: “Quem tiver dúvidas, pergunte-nos, que nós ensinamos”, acrescentou.

Esta reacção de quem vem é reveladora de algum desespero e arrogância. O Sr. Ferreira de Oliveira se tivesse a verdade do seu lado não insinuaria, EXPLICARIA de imediato como é que a Galp não define preços. Fica lançado o repto.
Jaime Pereira


Maio, 20

Uma pergunta pertinente:

PORTUGUESES PAGAM COMBUSTÍVEIS EM DÓLARES OU EM EUROS?

Finalmente, ao 14.º aumento dos combustíveis em 2008 (em 122 dias, um em cada nove dias!) alguém começou a reagir. Desde os revendedores até ao ministro da Economia, passando por toda a comunicação social, com relevo para as televisões.

Mas, em meu entender, raros foram os que tocaram no âmago da questão.Que reside, muito simplesmente nisto: OS PORTUGUESES PAGAM OS COMBUSTÍVEIS EM EUROS - e não em dólares.Por isso, estamos a ser duplamente penalizados: primeiro pelo aumento do custo do petróleo (que é negociado em dólares); e depois pela valorização do Euro.

Um exemplo: em 2002, o barril de petróleo custava 63 dólares (USD), equivalente então a 70 € (1.00 € = 0.90 USD) e o litro de gasóleo custou-me (na bomba, no dia 3 de Março de 2002) 0,648 €.

Recentemente, no dia 3 de Março de 2008, o barril custava 100 USD, ou seja, agora, 66,6 €. Então porque é que paguei na bomba 1,234 € - praticamente o dobro de 2002?
Por isso, será importante centrar a discussão no câmbio das moedas e não noutros quaisquer parâmetros que, como é óbvio, não justificam tal evolução.

Diz-se que uma das razões do aumento do preço do petróleo é a desvalorização do dólar.Que culpa têm os Portugueses disso, se estão a pagar em moeda forte, neste caso o Euro?

Há que denunciar as gasolineiras pelo aproveitamento da situação, se é que não foram elas que a provocaram. E também que censurar o Governo, que se está a aproveitar de tudo isto para aumentar as suas receitas - e até teve a ousadia de alterar a fórmula de cálculo. E porque é que o Presidente da República, que se mantém estranhamente calado?

Espero que a Comunicação Social não cale a profunda indignação que começa a grassar, a avaliar pelos mails trocados nas últimas semanas."

Alberto Ribeiro Soares

P.S. A título de esclarecimento, junto um dos "mails" que ultimamente recebi e que ilustra bem a extorsão de que o Povo Português está a ser vítima:

O preço do petróleo Fui informado recentemente que os preços de uns produtos químicos comercializados pela empresa onde trabalho iriam subir novamente devido à subida do preço do petróleo.
Todos os fins de semana meto gasolina no carro, e cada vez preciso de mais euros para comprar menos litros de Super-95. Dizem-me que é por causa do preço do petróleo.
Os industriais de panificação ameaçam com uma subida do preço do pão em cerca de 50%, devido à subida do preço do petróleo, que fez disparar o preço dos cereais.
Assim, fui à net buscar umas tabelas/imagens, comecei a fazer umas contas.

Câmbio EUR/USD, desde 1999 a 2008:


Evolução do preço do petróleo desde 1994 (preços em USD):


Então temos:
- Em 2000, um barril de petróleo custava 63USD, ou seja, 70.00€ (1.00Eur=0.90USD).
- Em 2008, um barril de petróleo custa 100USD, ou seja, 66.6€ (1.00Eur=1.520USD).

dados de 03.03.2008.

Gostava que me indicassem onde está a subida do preço do petróleo porque parece-me até que o petróleo esta a baixar em função do aumento do euro!

AS PETROLIFERAS COMEM TUDO!!! O ESTADO COLABORA E NÓS, PARVOS, PAGAMOS! ATÈ QUANDO?

E porque será que as noticias das TVs e jornais só se referem sempre, ao aumento dos combustíveis em DOLARES?... Será que há tantos estúpidos e burros em Portugal?

Pois é, a publicidade é que lhes paga!... Meus compatriotas, os JORNALISTAS ESTAM FEITOS COM O SISTEMA, ELES QUE COSTUMAM DESCOBRIR AS VERDADES, ENTÃO E AGORA?

Este País está a precisar de novo de um 25 DE ABRIL...VAMOS Á LUTA.

Maio, 19

Actualização à informação sobre postos com combústivel mais barato... e não só!

Maio, 17

Já há algum tempo que este tema dos combustíveis ronda a nossa porta. Tal como os apitos ele cheira a coisas pouco claras para não dizer vigarices.
Cheguei a encaminhar para a Direcção Geral de Energia e Geologia uma informação que um antigo colega de trabalho me fez chegar e que tinha sido abordada no Fliscorno

Aquela direcção informou-me que "Em resposta ao seu e-mail informa-se que, na sequência da publicação da Portaria nº. 1423-F/2003, de 31 de Dezembro, os preços de venda ao público da gasolina sem chumbo I.O. 95, do gasóleo rodoviário e do gasóleo colorido e marcado ficaram submetidos ao regime de preços livres, pelo que a Administração Pública deixou de fixar os respectivos preços máximos, como até então.Nesta conformidade, cabe à Autoridade da Concorrência pronunciar-se sobre alguma eventual violação das Regras de Concorrência e/ou Abuso de Posição Dominante devidamente fundamentada."
Como já sabemos que esta autoridade tem-se farto de regular é altura de passarmos à acção.

Acabou-se a conversa. Vamos boicotar o cartel deixando de abastecer nas duas maiores gasolineiras (GALP e BP).
ESCLARECIMENTO: Não trabalhei, não sou accionista, nem sequer tenho sido cliente de outra qualquer gasolineira da nossa praça (por acaso até costumo abastecer nas duas já referidas por acreditar na melhor qualidade das mesmas).
É altura dos CONSUMIDORES PAGANTES de impostos injustos deixarem de encher os bolsos aos políticos e seus amigos do capital.
Se quiserem continuar a ser roubados então vão lá encher os depositozinhos que eles agradecem...
Passem palavra e não deixem cair esta iniciativa. Neste blog acreditamos que se uivarmos juntos ganharemos força para lhes ferrar o dente!

14 comentários:

Anónimo disse...

Cá estou também a alinhar na luta.O que era bom seria, se todos os que o pudessem fazer andassem, pelo menos, uma semana sem fazer abastecimento de gasolina, como protesto contra este desrespeito pelos cidadãos.Se não formos todos nós a lutar, o governo nada pode fazer, pois há muito tempo que se demitiu das suas funções, entregando a economia á iniciativa privada e livre concorrência de preços, fazendo-nos passar por parvos e acreditar que a livre concorrência e privatizações eram boas para os consumidores.Está-se a ver o resultado.Vamos á luta: uma semana sem abastecer.É isso que eu proponho.

Páscoa.Aquele abraço.

Anónimo disse...

Umas achegas para vos fazer pensar em actuar e convencer se tal for necessário:

- vejam neste blog a resposta da Direcção Geral da Energia. Pilatos não faria melhor, mas libertar Barrabás, o ladrão, e condenar o Cristo, é da nossa responsabilidade! Tal como nas escrituras, a nossa inércia dará lamentos por dois mil anos;
- terão visto, como eu, nos jornais dos últimos dias, que a Autoridade da Concorrência vai olhar para o assunto! Onde estava antes, existia? Se não houvesse alguma pressão de nós todos por esta via acreditam que se teria mexido? Eu não acredito.
- dá para ver que o preço dos combustíveis nos últimos anos não poderia ter aumentado o que aumentou e que temos vindo a pagar! Para onde foi este excedente? Para impostos, para lucros fabulosos das petrolíferas? Não sei, sei que saiu dos nossos bolsos! Respondo como o poeta: "Não sei para onde vou, sei que não vou por aí!" (estou com uma branca: José Régio?).
- em França, nas entradas das auto-estradas, estão afixados os preços dos combustíveis praticados nesse momento pelas diversas marcas que têm estações de serviço no troço seguinte. Em Portugal temos lei da concorrência, praticada e fiscalizada pela Autoridade da Concorrência? Nos Estados Unidos, país símbolo do Capitalismo selvagem, grandes companhias, como a Microsoft, têm problemas sérios com a justiça por tentativas de monopolização ou cartelização para anulação da concorrência. Repito: Em Portugal temos lei da concorrência, praticada e fiscalizada pela Autoridade da Concorrência?
- o preço médio de venda ao público da gasolina sem chumbo 95, em Abril 2008 foi o seguinte nos países indicados (cito de www.portugalmania.com mas pode ser consultado em muitos outros sítios, incluindo governamentais dos citados países): França - € 1,37; Belgica - € 1,48; Luxemburgo - € 1,19; Suíça - 1,14; Espanha - 1,12; Portugal - 1,41; Não está reflectido a diferença de poder de compra!

Será preciso mais para nos convencermos que temos de actuar em vez de comentarmos esterilmente? Lembram-se do Vasco Santana e do "chapéus há muitos, palerma". Não gostaria que ficassemos numa Wikipédia qualquer como os que pagaram e permitiram "oportunistas, especuladores, incompetentes e carreiristas há muitos, palermas!"

Francisco Costa Duarte

JSP disse...

Enviado por um amigo: "O preço da gasolina é determinado pela procura e pela oferta. Nós oferecemos as nossas notas, cheques, cartões de crédito e de débito e poupanças, e as gasolineiras procuram tirar-nos sempre mais dinheiro."

JSP disse...

O ACP desmentiu ter apelado ao boicote às gasolineiras...
A Direcção do ACP prestou um mau serviço aos seus associados já que é uma associação que pretensamente deveria defender os interesses de automobilistas-pagantes!

Anónimo disse...

Como diz o Jaime já não há recuo: vejo já vários blogs a divulgarem o boicote e até o Prós e Contras se dedicou ao assunto, mesmo que tivessemos de ouvir algumas das falácias do costume. Estava capaz de apostar que no próximo Sábado vai ser notícia de primeira página no Expresso, a não ser que o seu Director, Henrique Monteiro, que prezo, só para nos chatear e fazendo mal,a remeta para pequena notícia interior que ninguém lê.

Estive em Alcobaça no fim de semana e verifiquei no Sábado à tarde que a Repsol da Crel - Queluz tinha a gasolina 95 a €1,474. No Domingo no Intermarché de Alcobaça estava a €1,394 e nunca vi uma fila tão grande ali; será que o Boicotão já está a ter efeito? Vejam o blog que o Jaime indica que tem link para os postos de abastecimento mais baratos no país.

Há uns anos atrás vi, num andar no Monte Abraão - Queluz, um imenso cartaz que se lia a uma centena de metros que dizia: "Este telhado mete água! Foi feito pela Icosal!" Vim a saber depois que o proprietário do andar, o prejudicado, tinha reclamado muitas vezes antes, ao abrigo da lei do Período de Garantia, sem quaisquer resultados. Estava como todos nós estamos hoje nos combustíveis: não é só uma questão de dinheiro, é uma questão de dignidade de todos nós! Temos que dizer basta, estamos fartos de nos tratarem como números ou como cães abandonados e vadios que comem tudo o que lhes dão! Nós somos os consumidores que pagamos, sem defesa, e merecemos respeito por isso!

Por isso vos digo: boicotem a Galp, a BP e a Repsol, sempre que vos for possível. E divulguem entre os vossos amigos, escrevam comentários nos blogs que se dedicaram ao assunto, ponham as vossas intervenções em cartas aos jornais, às televisões e às rádios. Dá trabalho e consome tempo? Sem dúvida! Mas, adaptando um anúncio famoso "Mais vale perder um minuto na vida digna, que perder a vida a pagar a vida indigna dos ofensivos e ostensivos especuladores que nos parasitam!"

Francisco Costa Duarte

Yara Kono disse...

E que tal uma mudança nos nossos hábitos desde há muito enraizados?
Comprar uma pasteleira, andar mais a pé, usar mais os transportes públicos, pedir boleia aos amigos (e oferecer também)...

JSP disse...

A mudança de alguns dos nossos hábitos é boa mas não resolve este problema. É que dessa forma os ricos e poderosos ficam com as estradas mais livres para eles os outros continuam a pagar-lhes para serem roubados...
Essa seria a solução para os problemas energéticos e ambientais se vivêssemos numa sociedade justa e igualitária. Infelizmente não é essa a realidade.

Raposa Velha disse...

Caro JSP, obrigado pela divulgação. Hoje a Golpe recuou nos aumentos anunciados, afirmando que se tratara de erro. Certo.... Pode ser que da próxima se conclua que isso se deveu a pressão dos consumidores.

Ontem, Batista Bastos escreveu no DN:
"O lado certo está, creio-o bem, quando recusamos a indiferença e não admitimos a resignação."
Não era neste contexto mas assenta que nem uma luva.

Zé Brites disse...

Na noite passada fomos de novo "assaltados" com mais um agravamento nos preços dos combustíveis e cada vez mais os consumidores precisam de conhecer as alternativas que se lhe oferecem para evitarem abastecer nos postos do cartel.
Por isso,A ideia do link para o site MAIS GASOLINA é excelente.
Zé Brites

Anónimo disse...

Vamos lá ao ponto da situação do nosso Boicotão ao preço dos combustíveis.

1 - Eu não estava à espera que o nosso Boicotão fizesse a Galp ou a BP baixarem os preços, de imediato, pelos nossos lindos olhos! Como é que a Galp iria aumentar os seus lucros no 2º trimestre depois dos milhões de euros ganhos no 1º trimestre? Tenham dó! No entanto, a Galp, depois de duas dezenas de aumentos desde o início do ano, "gaguejou" no último. E um jornal económico fala de milhões de euros de perdas de vendas. E o seu presidente diz que explicam os preços se lhes perguntarem mas não explica sem lhe perguntarmos. Ok, a gente está a perguntar-lhe boicotando-o e passa a ser um problema dele. É conversa de desesperado. O boicotão já deu resultado, nos jornais, na Assembleia, nas Empresas! Continuem que vai dar mais!

2 - Já agora: hoje abasteci no Intermarché de Alcobaça, com 8 cêntimos por litro mais barato que na Galp e na BP. O que me deu 4 euros e 50 cêntimos de poupança. Não será nada para o Sr. Presidente da Galp, que, certamente, não almoça no "come em pé". Mas para muitos milhares de portugueses é o preço de uma refeição! E duvido que o Intermarché, que não me paga qualquer comissão pela publicidade, perca dinheiro! Se perder, disponibilizo-me desde já, patrioticamente, a contribuir com uma chamada de valor acrescentado (60 cêntimos + IVA) para o salvar da falência, em nome do serviço público prestado!

3 - O Dr. Paulo Portas foi a Badajoz comprovar o preço da Gasolina em Espanha. Oh, Dr! Era "desnechechário"! Já sabíamos! E bastava ler os jornais, ou ver num site oficial na Internet, ou ligar para um militante do seu partido em Vila Real de S. António! Assim, só fez aumentar o CO2 com o seu Jaguar! (Peço, humildemente, desculpa, já estou a tender para a especulação porque não sei se o Dr. ainda usa o famoso Jaguar. Mas o que quer? Deformação pessoal porque, à falta de melhor, ainda tenho de utilizar o meu velho Renault com 180000 kms!).

4 - O Dr. Manuel Pinho ficou muito mais ofendido com o Dr. Portas do que eu, o que é difícil. E veio lembrar que na Alemanha, Reino Unido, Bélgica e Holanda, os combustíveis são mais caros que em Portugal. Também já sabíamos! Mas sabemos mais: que os rendimentos das famílias nestes países são 3 a 5 vezes superiores aos verificados em Portugal, já sem falar na precaridade de emprego! Ficamos à espera que o Dr. Pinho, responsável pela nossa Economia, nos ofereça preços de combustíveis e ordenados equivalentes. Se o fizer, levo uma vela a Fátima; se o não fizer, peço-lhe que vá recuperar a Economia do Burkina Faso e rezarei pelos pobres desse país, que não terão culpa!

5 - O Dr. Teixeira dos Santos disse que nunca alteraria o Imposto sobre os Combustíveis porque seria injusto o Orçamento do Estado pagar os carros dos portugueses. Oh, Dr! A palavra nunca é complicada: lembro-me do seu colega Lino dizer "Jamais! A margem Sul é um deserto!" e o Aeroporto, afinal vai ser em Alcochete! O que me deixou com um problema de stress pós-traumático por ainda não ter conseguido perceber se os camelos estão na margem norte ou sul do Tejo. E não está só em causa os automóveis dos burgueses, mas tesos, portugueses: os combustíveis são factor de custo muito importante na energia básica, nos transportes públicos, nos transportes de produtos alimentares e outros, essenciais à vida do cidadão comum, especialmente dos mais pobres.

6 - Na guerra da Guiné conheci um oficial do exército, que, ao ser nomeado comandante de uma companhia estacionada no "mato" e constatando as suas precárias condições, solicitou ao Estado Maior artigos básicos de conforto mínimo para os seus humildes soldados e recebeu como resposta: "não há verba para o material que pede e Teixeira Pinto" - herói do colonialismo português do princípio do Século XX - "ganhou a guerra sem esses artigos". Ao que o oficial respondeu: "Uma vez que não há verba e eu não consigo ganhar a guerra assim, por favor, mandem-me um Teixeira Pinto". Sr. Dr. Teixeira dos Santos, Ministro das Finanças, estou como aquele oficial: O Sr. Ministro diz, avisadamente, que a baixa de imposto poria em risco o equilíbrio orçamental, que tem uns louváveis e apregoados 2,6% de deficit, que tantos sacrifícios custou. Mas em Espanha o orçamento tem um superavit de 1,2% e o endividamento do Estado e das famílias é muito menor! E a carga fiscal sobre os Combustíveis (e o IVA) é, também, muito menor! Faça-nos um enorme favor: como não estamos a conseguir ganhar a guerra, apesar dos doutos ensinamentos do Sr. Ministro, do Sr. Ministro da Economia e do Sr. Primeiro-Ministro, por favor mande-nos um Zapatero!

Francisco Costa Duarte

carlos disse...

Curioso os preços da Galp

Estive este fim de semana na zona de Chaves e como foi óbvio fui abastecer de gasolina 95 e Espanha.
Bomba Galp com empregados portugueses, preço por litro 1,237 EUROS em Portugal bomba Galp preço 1,479 euros, diz o ministro Pinho que os preços são iguais a nível de produção e impostos pergunto eu a diferença vai para quem? serão os portugueses burros? vamos mandar abaixo este governo de mentirosos.

Carlos Trindade

Anónimo disse...

Assinem:
http://www.petitiononline.com/subicomb/petition.html

Anónimo disse...

O Boicotão já anda por si, já merece atenção na abertura de todos os telejornais e as grandes e mais caras companhias veem a suas vendas descerem e as mais baratos estão a duplicar as vendas. Além de se verificarem reacções, não já dos “burgueses” que têm automóvel, mas dos transportadores de tudo o que consumimos, dos pescadores, etc.

Alguns apontamentos que retirei do site da Direcção Geral de Energia da União Europeia:

1 – Os lucros extraordinários da Galp aumentaram 228,6 % no 1º trimestre de 2008. (já nem li a notícia: comentários para quê?).

2 – O preço do petróleo no mercado de Nova York parece começar a descer dada a baixa da procura. (vamos manter-nos atentos para ver se a Galp, a BP e a Repsol são igualmente lestos a descer os seus preços ou se aproveitam, como habitualmente, para aumentarem ainda mais as suas margens especulativas).

3 – Em Abril, em Portugal, o IVA sobre os combustíveis subiu 2% e o ISP desceu 15%. (é natural face à política seguida: o IVA sobe porque o preço sobe desmesuradamente, o ISP, que é um valor fixo por litro, desce porque o consumidor se corta ou vai abastecer a Espanha. Será, mesmo do ponto de vista do Orçamento Geral do Estado, inteligente dizer “jamais” à revisão da carga fiscal, como dizem os Ministros das Finanças e da Economia?)

4 – Manuel Pinho, ministro da Economia, pede à União Europeia debate europeu sobre o preço do petróleo. (O que demonstra duas coisas: está preocupado com a situação do mercado internacional; e não sabe o que deve fazer em Portugal, isto é, está “aos papéis”).

Estes pequenos apontamentos levam-me a duas reflexões e a uma sugestão irónica mas que, julgo, mesmo a brincar, válida e viável:

a) o mercado é selvagem: as poderosas companhias comem tudo e não deixam nada. Mas os consumidores, nós todos, somos parte do mercado e quando “mostramos os dentes” somos difíceis de ser devorados. Lembrem-se do leão, rei da selva, que ataca as crias de búfalo mas não ataca o adulto porque se arrisca a comer um coice que o deixa com dores de cabeça na semana seguinte.
b) Compreendo que terá de ser cuidadosa qualquer eventual revisão da carga fiscal, porque as poderosas companhias se irão aproveitar especulativamente dessa baixa nos preços para aumentar as suas margens, como ainda há pouco tempo aconteceu com os ginásios.

Assim, atendendo a que o Orçamento do Estado não tem as mesmas regras que os orçamentos familiares portugueses
- porque, quando o orçamento do Estado é curto aumentam-se os impostos aos portugueses, mas só aos que os têm dificuldade em pagá-los; quando
- os orçamentos dos portugueses pobres e remediados, ao sobrar mês no fim do ordenado, só podem encolher as despesas; e
- o Orçamento do Estado é inflexível, não havendo vida para além dele (acho que Jorge Sampaio já tinha desconfiado) enquanto os orçamentos dos portugueses têm de ser flexíveis até à fome;

Proponho o seguinte, cumprindo, obedientemente, as políticas seguidas pelos últimos governos, para não ser acusado de apelo à desobediência civil: vamos aplicar as boas regras domésticas (encolhimento de despesas se as receitas não chegam) e as políticas laborais e sociais defendidas pelos últimos governos, ao Orçamento Geral do Estado! Algumas medidas imediatas:
Como o Orçamento é tudo e não é alterável, mesmo que as circunstâncias o justifiquem, só precisamos de governantes em Outubro e Novembro de cada ano:
- contratamos os governantes a recibos verdes, como 30% dos portugueses, nestes dois meses para elaborarem e aprovarem o Orçamento, medida que cumpre a flexi-segurança à portuguesa;
- face à lei, não precisamos de lhes pagar 13º mês e Subsídio de férias, ajudas de custo, etc e se quiserem Segurança Social pagam-na do seu bolso, não deixando, obviamente, de os colectar em IRS;
- a seguir despedimo-los com a promessa de os voltar a contratar em Outubro seguinte;
- os seus carros de serviço serão, entretanto, entregues às polícias, que têm o seu parque automóvel a cair de podre;
- os seus motoristas, em vez de, improdutivamente, esperarem pelos Srs. Governantes o dia todo a lerem o jornal, poderão participar no apoio domiciliário a doentes e idosos;
- baixarão, automaticamente, custos acessórios com telefone, internet, papel higiénico, almoçaradas e deslocações, etc;
- nomeamos uma empresa internacional de auditoria para, mensalmente, verificar se os serviços estão a gastar apenas o que está definido, rigidamente, no Orçamento;

Façam contas e vejam a poupança: centenas de membros do governo, seus gabinetes e assessores; 230 deputados mais suas assessorias; 700 directores-gerais ou equiparados;
Neste esquema só o Presidente da República merece emprego a tempo inteiro: alguém tem de ir ao Aeroporto receber as visitas!

Francisco Costa Duarte

Anónimo disse...

Estava na expectativa de ver o que diria a Autoridade de Concorrência sobre os preços da gasolina e gasóleo - ainda que não acreditasse de alteração relevante - mas nem me apercebi de notícias. Temo isto porque ao deixar de ser notícia, muitos portugueses, habituados a serem enganados, já nem notam e alimentam, estupidamente, a sua própria exploração.

Verifico (www.oilnergy.com) que o crude Brent baixou entre 21 de Maio e ontem, e está relativamente estável pelo menos desde 29 de Maio. Mas ainda não vi as nossas pressurosas companhias darem sinal de descida para, pelo menos, nos aumentarem o moral.

Isto só nos deve motivar a manter e continuar a divulgar o boicote aos maiores especuladores. Não se deixem tomar por parvos.

Francisco Costa Duarte

PS – Já agora! Eu tenho participado, desde há muito, em outros boicotes, especialmente a algumas figuras da nossa praça, por não perceber o que acrescentam à nossa felicidade. A não ser, na síntese feliz de Miguel Sousa Tavares/Getúlio Vargas, como investimento especulativo, se tal for possível: compramo-los pelo preço que valem e vendemo-los pelo preço que pensam e dizem que valem! A mais valia especulativa é enorme: livramo-nos deles e ganhamos um pipa de massa!

Querem um exemplo? Pedro Santana Lopes! Para mim é um dos prioritários porque tem um ego e uma lata – perdão, persistência – tão grandes que não cabem na minha cabeça normal de português médio! Mas cuidado, que ele vai continuar a andar por aí! E está a recuperar! Até já vai em último! (Patinha Antão não faz parte do meu campeonato: eu calço 44!).

Francisco Costa Duarte